Segunda-feira, 2021-11-29, 7:07 AM
Welcome Convidado | RSS

Menu
Login
Categorias
ESPORTES
noticias do esporte
NOTÍCIAS
informação
EVENTOS CULINÁRIA
HUMOR CURIOSIDADES
CIÊNCIA ANIVERSÁRIOS
PUBLICIDADE CARNAVAL
Notícias do carnaval baiano
PEGADINAS
HUMOR
Pesquisar
Metereologia
Main » 2010 » Outubro » 5 » SALVADOR POSSUI O 2º MAIOR ÍNDICE DE JOVENS QUE JÁ MANTIVERAM RELAÇÕES SEXUAIS
0:35 AM
SALVADOR POSSUI O 2º MAIOR ÍNDICE DE JOVENS QUE JÁ MANTIVERAM RELAÇÕES SEXUAIS
Aula de educação sexual na Escola Renan Baleeiro: assunto deve ser debatido desde cedo
Dentre as capitais brasileiras, Salvador possui o segundo maior índice de adolescentes frequentando o 9º ano do ensino fundamental que já tiveram relação sexual (37,6%), atrás apenas de Boa Vista, capital de Roraima, com 40,4%, conforme Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, realizada pelo IBGE. O número mostra que os adolescentes dessa faixa de ensino que têm, em média, 14 anos, começam cedo a vida sexual.

Aos 14 anos, Graciele Passos aguarda a chegada do primeiro filho. Grávida de 8 meses, ela interrompeu os estudos, mas garante que pretende voltar a estudar em breve. "Estudei até o ano passado e fiz até a quarta série”, conta. Graciele é um exemplo de adolescente que não teve aulas de educação sexual na escola onde estudou. Em casa, teve acesso a algumas informações, mas a gravidez sem planejamento não deixou de acontecer. "Minha mãe sempre dizia que era para eu me prevenir, usar camisinha", ela conta.

Transversal – Atualmente, a sexualidade é tida como tema transversal nos parâmetros curriculares nacionais de educação. Deve ser assunto obrigatório para todos os alunos do 6º ao 9º ano. O coordenador de ensino e apoio pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, Manoel Calazans, ressalta, entretanto, que o tema também deve ser discutido nas séries iniciais do ensino fundamental.

O educador comenta que hoje existe um apelo sexual nas mídias que antecipa as discussões em casa e nas ruas, e a escola não deve se manter alheia a tudo isso. No ensino fundamental, ele defende que o tema deve ser tratado sem a complexidade do que acontece da 6ª à 9ª série, quando o tema é abordado de forma atrelada ao conteúdo das ciências naturais. "É preciso apresentar o tema às crianças de uma forma didática, na linguagem delas, ensinar o cuidado com o corpo, trazer a questão de gêneros para discussão, seja nas brincadeiras, nas cores de preferência dos meninos e das meninas”, exemplifica Calazans ressaltando que não se trata de um trabalho fácil, e mesmo na rede pública ainda há resistência de segmentos religiosos e da própria comunidade. Ele afirma que os professores têm sido capacitados para trabalhar com o tema.

A pedagoga Maria Ornélia Marques, coordenadora do curso de formação de professores da Faculdade Social e do Centro de Estudos e Assessoria Pedagógica (Ceap), afirma que a formação do profissional é essencial, tanto na rede pública quanto na privada, para ter bons resultados. Ela defende a existência de políticas públicas tanto para orientar docentes quanto para a formação da juventude dentro de um processo educacional. "Acredito que muitas das gestações não planejadas são influenciadas por uma sociedade que erotiza demais as crianças. A escola tem um papel importante e deve trabalhar desde cedo e sem preconceitos, em conjunto com os pais”, afirma a pedagoga.
Category: CURIOSIDADES | Views: 428 | Added by: jorge | Rating: 0.0/0
                                 
Anúncios
Estatística

Total Online: 3
Convidados: 3
Usuários: 0
Sites
Cursos Online Profissionalizantes
Cursos Online 24 Horas - Certificado Entregue em Casa