Sexta-feira, 2020-10-30, 8:18 AM
Welcome Convidado | RSS

Menu
Login
Categorias
Pesquisar
Metereologia
Main » 2013 » Abril » 16 » POLICIAIS GRITAVAM: "DEUS CRIA, A ROTA MATA", DIZ SOBREVIVENTE DO CARANDIRU
9:50 AM
POLICIAIS GRITAVAM: "DEUS CRIA, A ROTA MATA", DIZ SOBREVIVENTE DO CARANDIRU


No primeiro dia de julgamento de 26 policiais envolvidos no caso que ficou conhecido como massacre do Carandiru, o ex-detento Marco Antonio de Moura afirmou à Justiça que tem fresco na memória o que ocorreu no dia 2 de outubro de 1992 na Casa de Detenção de São Paulo. Na ocasião, 111 presos foram mortos após uma briga entre criminosos e a invasão da Polícia Militar ao pavilhão 9, local em que estavam mais de 2 mil presos naquela tarde.

"Passaram 21 anos. Para mim foi como se fosse ontem", disse ele, que levou um tiro no pé na ocasião. De acordo com o sobrevivente, os policiais já entraram no presídio atirando contra os presos. "Quando deixamos o pavilhão, para ir para o pátio, eles gritavam: ´Deus cria, a Rota mata. Viva o choque´".

Moura estava no segundo pavimento do pavilhão 9, onde o processo relata que 15 detentos morreram. Por conta dessas mortes, 26 policiais são julgados no Fórum da Barra Funda a partir desta segunda-feira. O júri popular deve se estender pelo menos até o início da próxima semana - seis homens e uma mulher compõem o conselho de sentença, que decidirá o destino dos réus.

O ex-detento afirma que não se tratava de uma rebelião e que a intervenção da polícia era desnecessária. "Não era rebelião. Era um acerto de contas entre bandidos", afirmou.

O sobrevivente afirma que, ao perceber que a Polícia Militar iria invadir o local, previu o pior. "Nós vamos apanhar demais. É deles fazer corredor polonês e bater em você.", contou. Ele nega que os detentos tenham tentado enfrentar os policiais. "Não tem como enfrentar policial armado até o dente. Quem tinha faca entregou. Ao perceber os disparos nas galerias do presídio, ele disse que a situação era mais séria do que ele pensava. "Foram muitos tiros, não era comum".
Moura, que foi preso por roubo (simulando estar armado) e respondeu por uma tentativa de homicídio (que foi arquivada por falta de provas), conta como levou o tiro no pé. "Havia umas 30 pessoas dentro da minha cela. Na correria, começou a entrar um monte de gente. Em um determinado momento, o policial pôs a cara no guichê (espécie de janelinha na porta da cela) e foi muito disparo", disse ele. Entre as rajadas de metralhadoras em seu andar, ele disse que o que mais ouvia eram gritos de "pelo amor de Deus".

Perguntado pelo juiz se reconheceria algum policial que participou da operação, ele foi direto. "Não tenho vontade de olhar para a cara de nenhum deles. Só lembro que tinha um de olho azul". O detento disse ainda se recordar que tiros foram disparados por policiais que estavam sobre um helicóptero, que sobrevoava o pavilhão. "Eu dei sorte. Eu ia subir no telhado. Mas se tivesse subido, teria morrido".

Preso inicialmente em 1988, ele deixou o sistema carcerário em 1994 e, segundo ele, desde então trabalha com "carteira assinada" e não teve mais nenhum problema com a Justiça. É casado e tem três filhos. Moura foi a segunda testemunha de acusação a depor no primeiro julgamento dos policiais acusados de homicídio - os demais júris ocorrerão ainda em 2013, já que o caso foi desmembrado devido ao grande número de réus. Ao todo, 23 testemunhas foram convocadas para depor pela defesa e pelo Ministério Público.

Fonte: Portal Terra

Category: NOTÍCIAS | Views: 378 | Added by: monica | Rating: 0.0/0
                                 
Anúncios
Estatística

Total Online: 8
Convidados: 8
Usuários: 0
Sites
Cursos Online Profissionalizantes
Cursos Online 24 Horas - Certificado Entregue em Casa