Segunda-feira, 2022-11-28, 3:02 PM
Welcome Convidado | RSS

Menu
Login
Categorias
ESPORTES
noticias do esporte
NOTÍCIAS
informação
EVENTOS CULINÁRIA
HUMOR CURIOSIDADES
CIÊNCIA ANIVERSÁRIOS
PUBLICIDADE CARNAVAL
Notícias do carnaval baiano
PEGADINAS
HUMOR
Pesquisar
Metereologia

Main » 2014 » Julho » 15 » MT: HAITIANOS ATRAÍDOS PELA COPA AMARGAM DESEMPREGO EM MASSA
5:23 PM
MT: HAITIANOS ATRAÍDOS PELA COPA AMARGAM DESEMPREGO EM MASSA

Mais de 2,7 mil haitianos desembarcaram em Cuiabá (MT) nesse último ano atraídos pelas oportunidades de trabalho geradas pela Copa do Mundo. Agora, com o fim do Mundial, estão perdendo o emprego em massa. O agravante é que, apesar do fim dos jogos, eles não param de chegar, sem nenhum ou com pouco dinheiro de reserva, acreditando que terão uma vida melhor na capital mato-grossense.

Todo dia cerca de 20 a 30 haitianos, que já estão em Cuiabá desde maio do ano passado e chegaram a conseguir emprego, batem à porta da Pastoral do Migrante, novamente desempregados. Outros estão desembarcando agora porque ficaram sabendo que na cidade poderão sair de uma situação complicada de desemprego, enfrentada por alguns há dois ou três anos, mesmo com formação técnica ou superior.

A situação socioeconômica e política no Haiti, agravada por um forte terremoto que assolou a capital, Porto Príncipe, em janeiro de 2010, tem obrigado haitianos a saírem do país. Quando chegam ao Brasil, recebem um visto humanitário, que dá direito a CPF e carteira de trabalho. Dos que escolhem Cuiabá, muitos chegam pelo Acre, como o técnico em laboratório Andromaque Joseph, 29 anos. “Estou procurando emprego de qualquer coisa”, diz ele.

Um das barreiras iniciais que enfrentam é o idioma. No Haiti, a língua oficial é o francês, mas a maioria da população fala o crioulo haitiano ou créole. Eles também arriscam o espanhol e o inglês. Conforme contam, é cultural falar um pouco desses quatro idiomas.

Entre os haitianos que estavam na Pastoral do Migrante na noite de segunda-feira, o único que fala português é o biomédico Kesnel Dorvil, 33 anos. Ele aportou em Cuiabá no dia 22 de maio deste ano, a procura de uma vida melhor. Deixou a esposa e uma filha de 5 anos na República Dominicana, para onde foram incialmente, antes de virem para o Brasil. Desistiu de viver no Haiti, após ficar mais de três anos sem trabalho.

Na República Dominicana, atuou como supervisor de hotel e segurança, mas ganhava muito mal. “Quem tem família precisa dar um jeito de conseguir sobreviver e melhorar de vida”, explica o motivo de ter vindo para Cuiabá. Esta terça-feira é um dia feliz para Kesnel. Conseguiu um emprego e está apreensivo para que tudo dê certo. Apesar de ser biomédico, vai começar em uma empresa de tratamento de couro.

Outro que acaba de chegar em Cuiabá é Michael Jiandany, 28 anos. Também deixou a mulher e um filho de 3 anos. Está angustiado e sem emprego e a única certeza que tem é que vai voltar para buscar a família assim que for possível. Ele chegou de avião em São Paulo. “Gosto do Brasil, vou morar aqui”, assegura.

Maioria é do sexo masculino
Entre os que estão fazendo essa travessia Haiti-Cuiabá em busca de emprego, a maioria é homem. Apenas três mulheres estão na Pastoral do Migrante, no momento. Uma delas, Rosette Bruny, 30 anos, trouxe o filho de 3 anos, mas deixou outro de 10, com o pai, no Haiti. Perguntada se está preocupada com esse momento de instabilidade, responde com o olhar angustiado: “Oui, oui!” – sim, em francês. Quem não parece se importar muito é o menino, que, sorridente, corre pelos corredores da Pastoral do Migrante, brincando. 

A colega de quarto dela, Vierla Josepht Durosier, 30 anos, sabe fazer trançados e outros penteados afros. Segundo ela, as mulheres haitianas gostam de se enfeitar, apesar de estarem em situação difícil, porque é cultural. Pensa em trabalhar em um salão, mas se preocupa porque não fala português.

A comunicação entre os haitianos e familiares é feita através da internet, que é mais barato e, conforme Kesnel, funciona bem. Essa é uma forma de matar a saudade de quem ficou, mas na expectativa de vir também.

Atendimentos durante o dia
Durante o dia, a auditora fiscal do trabalho Marilete Girardi faz atendimentos aos haitianos, para encaminhá-los ou reencaminhá-los ao trabalho, no caso de quem perdeu o emprego. Na conversa, a auditora tenta descobrir como pode encaixá-los nas vagas disponíveis na cidade. O trabalho que ela faz é similar ao do Sistema Nacional de Emprego (Sine). Ela desenvolvia esse trabalho voluntariamente, mas devido ao aumento da demanda, está atuando por meio de convênio com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE).

A Assistente Social Rosângela Jesus da Silva procura encaminhá-los ao atendimento de saúde, se for o caso. Mas, segundo ela, os haitianos são fortes. Só houve um caso mais grave, de uma mulher, que estava com câncer de mama e teve que fazer cirurgia no Brasil para amputar um seio.

Fonte: Terra

Category: NOTÍCIAS | Views: 355 | Added by: monica01 | Rating: 0.0/0
                                 
Anúncios
Estatística

Total Online: 2
Convidados: 2
Usuários: 0
Sites
Cursos Online Profissionalizantes
Cursos Online 24 Horas - Certificado Entregue em Casa