Quarta-feira, 2021-12-01, 4:31 PM
Welcome Convidado | RSS

Menu
Login
Categorias
ESPORTES
noticias do esporte
NOTÍCIAS
informação
EVENTOS CULINÁRIA
HUMOR CURIOSIDADES
CIÊNCIA ANIVERSÁRIOS
PUBLICIDADE CARNAVAL
Notícias do carnaval baiano
PEGADINAS
HUMOR
Pesquisar
Metereologia
Main » 2010 » Novembro » 7 » JAQUELINE OLIVEIRA DECLARA QUE SÁDIA RECEBEU R$45 MIL DE QUADRILHA
11:38 AM
JAQUELINE OLIVEIRA DECLARA QUE SÁDIA RECEBEU R$45 MIL DE QUADRILHA
http://www2.uol.com.br/aregiao/fotos/sadia-barto-izaias.jpg
Destaca a edição do jornal A Região, deste final de semana que uma quadrilha pagou R$ 45 mil de propina por favores de Sádia segundo Jaqueline Oliveira Queiroz, a "Jack”, em depoimento ao Ministério Público estadual (MP). Integrante de uma quadrilha de traficantes do sul da Bahia, a mulher foi transferida às presas do Conjunto Penal de Itabuna.
Mas antes contou todos os detalhes sobre como funcionava o esquema envolvendo a escrivã da Vara do Júri e Execuções Penais da Comarca de Itabuna, Sádia Consuelo Cândido Pitanga (no centro da foto).
Jaqueline Queiroz afirmou que, em quatro anos, intermediou o pagamento de cerca de R$ 45 mil para a serventuária em troca de benefícios processuais, fora, segundo ela, as "mixarias” de R$ 300 para marcar a audiência e R$ 500 para desmarcá-las, além de presentes como joias e perfumes.
A integrante da quadrilha aceitou a delação premiada prevista na lei nº 9.034/95 e, de ré, passou a testemunha, incluída no Programa Nacional de Proteção a Testemunhas.
Ela afirmou que, por R$ 300, Sádia transferiu seu irmão Gilson Oliveira Queiroz, o "Gilson Oclinho”, da cadeia pública para o Conjunto Penal de Itabuna. A serventuária também beneficiou o traficante Isaías Bernardino (à direita), segundo "Jack”.
Para o Ministério Público Estadual, a escrivã da Vara do Júri e Execuções Penais de Itabuna tinha papel fundamental na organização criminosa comandada por traficantes no sul da Bahia. A servidora exercia o papel de colaborar como informante do bando.

Dava endereço
De acordo com o MPE, a serventuária divulgava para Jaqueline Oliveira os locais alvos de operações de busca e apreensão da polícia, fornecendo inclusive nomes e endereços de testemunhas de acusação em ações penais propostas contra membros da organização.
As informações teriam resultado, inclusive, no assassinato de uma das testemunhas da ação contra Gilson Queiróz. Foi apurado que a servidora recebia, através de Jaqueline e de mulheres de presos, vantagens indevidas para beneficiar os membros da organização criminosa.
Segundo a Polícia Civil, há provas de que Sádia Pitanga agilizava e retardava a marcação de audiências, além de facilitar transferências para o Conjunto Penal. A escrivã também patrocinava os interesses dos outros membros da organização na agilização de processos.
Jaqueline afirmou em depoimento que Sádia recebia dinheiro para facilitar a liberdade provisória de presos de Itabuna. Entre os beneficiados estão Bartolomeu Rocha Mangabeira, "Bartô” (à esquerda), Isaías Bernardino Sena, Maria Lucimara da Silva Souza e os detentos Isack e Fagner.

Propina
A servidora do Poder Judiciário em Itabuna é acusada ainda de cobrar entre R$ 1 mil e R$ 2 mil pela liberdade provisória dos presos. O valor variava conforme o grau de dificuldade do processo, segundo relato da testemunha.
De acordo com o processo, além de Jaqueline Queiroz, esposas de presos também faziam intermediações com Sádia, mediante pagamento, para obter a liberdade de seus companheiros, sendo que a escrivã cobrava cerca de R$ 150 para agilizar marcações de audiências.
Era tão grave a corrupção que a irmã do traficante Gilson Oclinho confirmou a relação de intimidade que possuía com Sádia, tão estreita que a escrivã, quando era acionada pela mulher, abria o cartório antes mesmo do horário de expediente, conforme as investigações.
A relação estreita foi confirmada pela Polícia Civil, que durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão no dia 21 de outubro deste ano, encontrou na casa de Sádia a certidão de óbito de Gilson Oliveira Queiróz, o "Gilson Oclinho”.
Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual, Sádia Consuelo responderá a processo por associação para o tráfico de drogas, corrupção passiva e advocacia administrativa, cujas penas podem somar mais de 20 anos de prisão.
Category: NOTÍCIAS | Views: 2446 | Added by: jorge | Rating: 0.0/0
                                 
Anúncios
Estatística

Total Online: 6
Convidados: 6
Usuários: 0
Sites
Cursos Online Profissionalizantes
Cursos Online 24 Horas - Certificado Entregue em Casa