DUAS POLICIAIS MILITARES SÃO CAPACITADAS PARA PILOTAR AERONAVES - 16 March 2016 - JORGEQUIXABEIRA
Saturday, 2016-12-03, 6:38 AM
Welcome Guest | RSS

Menu
Login
Categorias
Cesta
Your shopping cart is empty
Pesquisar
Metereologia
Main » 2016 » March » 16 » DUAS POLICIAIS MILITARES SÃO CAPACITADAS PARA PILOTAR AERONAVES
11:14 AM
DUAS POLICIAIS MILITARES SÃO CAPACITADAS PARA PILOTAR AERONAVES
No chão, o limite das capitães Danusa de Oliveira, 34 anos, e Maíra Galindo, 33, é pouco mais de 1,60 m que ambas têm de altura. Quando entram no ‘Guardião 01’, um dos helicópteros do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer), não há como fugir do clichê - o céu é o limite. Primeiras policiais femininas da Bahia capacitadas para pilotar aeronaves, elas enchem de orgulho não só as mais de quatro mil mulheres que compõem a tropa, como também os homens que sabem a dificuldade para cumprir todas as etapas e provas do certame na seleção para ingresso na função.

Para começar, o número restrito de vagas já assusta os candidatos. “Eram 22 vagas para homens e apenas três para mulheres, todas para cadastro reserva”, recorda Danusa, que há 15 anos integra o quadro da PM. A grande ‘peneira’ na hora da escolha dos candidatos inclui provas objetivas, de aptidão física, teste de habilidades específicas para a função e exames psicológicos. “Dos 100 inscritos, apenas sete, entre homens e mulheres, conseguiram aprovação em todas”, ressalta. 

Quem pensa que as dificuldades foram apenas na seleção dos candidatos, engana-se. O intenso Curso de Piloto Civil, com aulas em Minas Gerais, demandou das duas um ano e três meses de dedicação exclusiva a estudos e testes. Além da responsabilidade da atividade de risco, a pressão de serem as únicas escolhidas diante de um quadro predominantemente masculino aumentou a determinação das PMs. “A capacitação foi um grande investimento do Estado, daí ter um desempenho excelente era uma questão de obrigação, de honra. Não haveria uma segunda chance”, conta Maíra.

Comandantes de operações

Mesmo prontas para conduzirem um helicóptero, no Graer elas são classificadas como comandante de operações das aeronaves, espécie de copiloto. Para assumir o controle total, precisam cumprir 500 horas de voo, o que não deve demorar para ocorrer, pois estão em atividade desde dezembro de 2015 e o trabalho não é pouco. Aliás, a quantidade e a diversidade de solicitações da unidade são algumas características que mais atraíram a dupla.

“Aqui, nenhum dia é igual ao outro, não há rotina. Um dia, estamos resgatando vidas em um acidente, no outro auxiliando colegas na captura de bandidos”, relata Maíra, esclarecendo que não há ‘alívio’ para quem é mulher. “As escalas são intensas para todos”. Quanto a preconceito, as capitães dizem não haver diferença no trabalho, mas asseguram que os colegas tiveram que se adaptar às presenças delas. "Eles viviam num ambiente 100% masculino, que agora é dividido com a gente e eles respeitam isso”, diz.

A profissão chama a atenção entre familiares e conhecidos, principalmente do público masculino. O fardamento – um macacão verde sumo feito apenas sob o padrão masculino – esconde a feminilidade das duas que possuem perfis iguais, belezas diferentes e a vontade de ultrapassar barreiras impostas pela cultura ou pelo preconceito, na busca da igualdade na valorização do trabalho do homem e da mulher.

Domínio das mulheres

“Chegou Marta, chegou trabalho!”, dizem os mecânicos quando a controladora técnica de manutenção e inspeções do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer), Marta Ferreira, aparece no pátio. Com 11 anos na PM, a sorridente e descontraída policial foi convidada há cinco para fazer parte da unidade. Num ambiente predominantemente masculino, a carioca, naturalizada baiana há 20 anos, faz revisões semanais nas aeronaves. Não há botão e código que lhe passem despercebidos.

Seu momento mais marcante na carreira foi quando fez rapel e voou de helicóptero pela primeira vez. “O piloto realizava manobras radicais, parecia que estava numa montanha russa”, recorda. Casada há 25 anos, Marta diz que o marido sempre a apoiou e que nunca sofreu qualquer tipo de preconceito no trabalho. Antes de chegar ao cargo atual, a PM foi motorista de viaturas e passou pelo Departamento de Apoio Logístico (Dal). “Meu sonho é ficar aqui até ir para a reserva”, disse. 

Fonte: Ascom/Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP)
Category: NOTÍCIAS | Views: 61 | Added by: tainá | Rating: 0.0/0
                                 
Anúncios
Estatística

Total online: 10
Guests: 10
Users: 0
Sites

Copyright MyCorp © 2016