Terça-feira, 2018-07-17, 12:36 PM
Welcome Convidado | RSS

Menu
Login
Categorias
Pesquisar
Main » 2010 » Dezembro » 23 » CONHEÇA COMO FUNCIONA A ESTRUTURA DO TRÁFICO DE DROGAS
1:14 PM
CONHEÇA COMO FUNCIONA A ESTRUTURA DO TRÁFICO DE DROGAS
http://isfa.org.br/mvnoticias/wp-content/uploads/2010/12/contabel.jpg
Para administrar os milhões de reais que o tráfico de drogas movimenta a cada mês no Rio de Janeiro, os criminosos tentam se estruturar como uma empresa. As quadrilhas possuem uma hierarquia de cargos, com possibilidade de ascensão. Os "funcionários” trabalham sob regime de plantão. E, para obter mais lucro em seus negócios, costumam adicionar substâncias aos entorpecentes.
Os traficantes, no entanto, não vendem só drogas e diversificam cada vez mais suas atividades, explorando serviços como gatonet (TV a cabo clandestina) e distribuição de gás, além de abrir empresas.
A organização, no entanto, ainda é muito rudimentar. Um exemplo disso são as anotações sobre a movimentação financeira, que normalmente são feitas à mão em cadernos ou blocos. Sem falar no fato de enterrarem parte do dinheiro.
Na estrutura hierárquica das quadrilhas há a participação de 14 diferentes agentes, dos quais oito têm ação direta, três têm cargos auxiliares e outros três são peças importantes, mas não encontradas em todas as favelas.
O primeiro na hierarquia do tráfico é o "dono” do morro. São os homens que dão as ordens nas favelas sob seu controle. A maior parte está presa, como Marcinho VP, Fernandinho Beira-Mar, entre outros, que administram os seus negócios de dentro da cadeia.
Logo abaixo, estão os "gerentes-gerais”, também chamados de "frentes”, que são homens de confiança dos ‘donos’, como FB (Fabiano Atanázio da Silva), na Vila Cruzeiro, e Pezão (Luciano Martiniano da Silva), no Alemão. Eles são os responsáveis pelos negócios na favela, a quem os outros gerentes são subordinados. Nenhum crime, como roubos e assassinatos, é praticado pelos criminosos sem autorização do frente.
Em seguida, estão os "gerentes de boca de fumo”, como são conhecidos os pontos de venda de drogas. Além deles, há o gerente responsável pela venda de cada tipo de droga, como o gerente do crack e da cocaína. Todos os ‘funcionários’ da boca prestam contas a ele.
O cargo mais cobiçado pelos mais jovens é o de "vapor”, o que vende a droga diretamente para o usuário. Segundo agentes ouvidos pelo R7, o cargo é muito procurado porque, a partir dele, os criminosos passam a receber por comissão, de acordo com a venda. Além disso, quem se destaca tem grande chance de chegar ao cargo de gerente.
Os que cobiçam o cargo de ‘vapor’ são os "soldados”, responsáveis pela segurança da favela, e os "olheiros”, que têm função de vigilância. Também conhecidos como ‘fogueteiros’ ou ‘radinhos’, por usarem morteiros e rádios de comunicação, eles precisam avisar sobre a chegada da polícia ou de traficantes rivais.
Aqueles que têm mais tempo trabalhando para o tráfico, mas que não conseguiram ser ‘promovidos’, geralmente atuam na "endolação”, que consiste em embalar as drogas para a venda. Para os traficantes, os mais velhos são escolhidos porque não têm mais condições físicas de correr da polícia.
Outra figura importante é o "armeiro”, que tem conhecimento técnico sobre armas e é o responsável pela manutenção de fuzis, metralhadoras e pistolas. Na maioria das vezes, ex-militares são recrutados para esta função.
Cargos auxiliares
Nas funções auxiliares estão as figuras do”fiel” (trabalha eventualmente para o tráfico, basicamente com a função de esconder armas e drogas em casa, por não ter ligação direta com o negócio, podem ser acionados a qualquer momento), "portador” (cargo normalmente ocupado por mulheres, que, na condição de visitantes de presos, transmitem informações entre quem está na cadeia e quem está na favela) e as "tias”, mulheres mais velhas, em sua maioria parentes de presos, que escondem o dinheiro da quadrilha.
Os outros cargos relacionados são os de "matuto” (responsável por abastecer com grandes quantidades de armas e drogas as favelas cariocas, geralmente pegam o material na fronteira com o Paraguai e levam até o Rio), "químico” (presente em poucas favelas, somente naquelas em que há refinarias de cocaína, onde ele transforma a pasta base em cocaína em pó pronta para a venda) e "açougueiro” (especialista em corte de carne, esquarteja os corpos de desafetos mortos pelo tráfico, que são jogados em rios, aos porcos ou queimados, presente em poucas comunidades).
A remuneração dos "funcionários” do tráfico é feita de acordo com o faturamento das bocas de fumo. Um gerente, por exemplo, pode faturar de R$ 1.000 a R$ 6.000 mensais. O salário mais baixo de um soldado (segurança) gira em torno de R$ 600. Já entre os vapores, os ganhos variam de R$ 300 a R$ 400.
Investigações feitas pela polícia revelaram no início deste ano que, no morro de São Carlos, no Estácio, um efetivo de 324 ‘funcionários’ gerava uma despesa de R$ 51 mil por semana. Somente na localidade do Querosene, 57 traficantes ganhavam R$ 120 cada, e seis ‘chefes de plantão’ recebiam R$ 300 semanais. Outros chefes de plantão chegavam a receber R$ 1.500
Category: NOTÍCIAS | Views: 21407 | Added by: jorge | Rating: 2.0/1
                                 
Anúncios
Estatística

Total Online: 26
Convidados: 26
Usuários: 0
Sites
Cursos Online Profissionalizantes
Cursos Online 24 Horas - Certificado Entregue em Casa